"Fiz amizades e contatos com pessoas do mundo todo"

Leia o depoimento da arquiteta e estudante de mestrado da Design Academy de Eindhoven Andrea Bandoni.

 

Eu decidi estudar fora quando estava numa situação decisiva na minha carreira. Após 2 anos formada em Andrea bandoniArquitetura pela USP, com freelancers aparecendo, ou organizava meu próprio escritório de arquitetura /design ou estudava para melhorar minha qualificação profissional. Optei pela última possibilidade por achar que ela também ajudaria num futuro empreendimento. Então comecei a buscar cursos de design que me abrissem horizontes, coisas novas e com olhar no futuro.

Tomei a decisão de estudar fora por entender que isso me traria vantagens profissionais. No Brasil a área "design" é muito nova e vi mais possibilidades no exterior. Também tinha muitos amigos que estudaram no exterior e eles recomendavam bastante a experiência. Conhecer uma cultura diferente me atraía bastante.

Tive amigos da FAU USP que vieram para a Holanda antes de mim e sabia que havia boas escolas aqui e que design/arquitetura eram levados muito a sério. Mas o curso e a escola que escolhi encontrei procurando em revistas internacionais e sites especializados em design e em estudos no exterior. O programa me pareceu extremamente interessante, atual e adequado para o meu perfil. A escola é reconhecida como uma das melhores do mundo. Além disso, a cultura holandesa valoriza muito a área e por isso a Holanda se destaca no panorama do design atual:  há muitos designers e arquitetos renomados mundialmente.  Os holandeses respiram design: até mesmo a natureza em certos locais é “desenhada”, planejada. Isso faz da Holanda um local fascinante para designers.

Não conhecia a Holanda mas ouvia e lia muitos elogios sobre a arquitetura e o design daqui. Eu imaginava que as pessoas seriam muito frias... Mas não! Os holandeses são hospitaleiros, tolerantes e gentis. Quanto aos estudos, considero que são bem mais exigentes e duros do que eu imaginava, mesmo não sendo tão organizados quanto pensei. O clima e a comida foram um grande desafio para uma brasileira! Mas são compensados pela perfeição do sistema de transporte holandês, especialmente as bicicletas e os trens. O contato com pessoas de diversas partes do mundo também é rotina na Holanda, e impressiona o fato de todos os holandeses falarem ótimo inglês.

 Os estudos foram bem pesados. A adaptação ao sistema de ensino foi contínua, cada avaliação parecia ser sempre a primeira vez, pois os avaliadores/professores são muito rígidos e com critérios subjetivos. O curso realmente tem professores famosos na área e agrega alunos brilhantes do mundo todo, mas acabei aprendendo coisas diferentes das que esperava, por exemplo a importância do marketing no design. Me senti "testada" nos meus limites em diversas situações escolares.

Quanto a vida social, como a escola e o curso são extremamente internacionais, fiz amizade e contatos com pessoas do mundo todo. Mas por viver numa casa somente com holandeses, acredito que tive uma grande experiência de integração com os locais, com os quais convivi muito bem. O cotidiano é bem diferente, mas a adaptação traz muito aprendizado.

Um dos melhores momentos dos estudos foi quando apresentei um trabalho pelo qual fui bastante elogiada, com o qual fiz parte de uma publicação da  Design Academy Eindhoven sobre design e sustentabilidade (“ Maquimagem – make up images”).

última modificação 2015-05-06 19:19